junho 7th, 2010

ÉTICA E RESPONSABILIDADE  SOCIAL  EMPRESARIAL

Uma estratégia inteligente

 

Vanessa Duguet Arruda

 

Atualmente há um novo conceito de RSE- Responsabilidade Social Empresarial que, indubitavelmente, perpassa pela ética. Se antes as ações se restringiam à filantropia, em contrapartida, hoje, percebe-se um comprometimento empresarial bem mais amplo. A sociedade dinâmica como ela só e o próprio mercado foram os principais responsáveis pela mudança de postura das empresas frente à comunidade na qual elas estão inseridas.

Os novos modelos de gerenciamento se apropriaram desta estratégia ao perceberem a relevância do papel social de cada um.

sale papers

Uma boa gestão diz respeito ao todo e tem que se alinhar às necessidades da própria empresa, dos clientes, funcionários, diretores, comunidade, do meio-ambiente e governo. Dentro de um mercado competitivo ações desta natureza passaram a ser o diferencial.

Obviamente que sem ética empresarial é impossível a responsabilidade empresarial. E por onde começar? Pelo entendimento do que vem a ser SER, que de acordo com o Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social “é a forma de gestão que se define pela relação ética e transparente da empresa com todos os públicos com os quais ela se relaciona e pelo estabelecimento de metas empresariais que impulsionem o desenvolvimento sustentável da sociedade, preservando recursos ambientais e culturais para as gerações futuras, respeitando a diversidade e promovendo a redução das desigualdades sociais.”

A sociedade espera que os empresários tomem medidas para garantir produtos seguros para se consumir e para o meio-ambiente; que criem condições de trabalho seguras com programas que beneficiem funcionários; que criem fortes programas de ética que sejam barreiras e evitem que empregados pratiquem um comportamento ilegal; que cumpram obrigações além das que são exigidas em Lei; além do trato com a concorrência que seja de forma leal sem causar danos à economia. Naturalmente como resposta vem o consumo, a simpatia e a fidelização de clientes.

O que acontece é que as empresas estão sendo vistas como agentes transformadoras e conscientes deste papel, estão incorporando atitudes sociais às práticas cotidianas. O resultado é o fortalecimento da imagem corporativa o que torna a empresa reconhecida; cria uma relação mais amistosa com a comunidade e com a opinião pública e maior valorização das ações perante os acionistas. São os novos papéis com benefícios garantidos para todos.

        (Matéria publicada no Jornal Tribuna das Gerais, maio/2009)

Você pode acompanhar as respostas para este post assinando nosso RSS 2.0 feed. Você pode deixar um comentário, ou trackback do seu site.

Deixe um comentário