julho 7th, 2010

Gestão Socialmente Responsável para Pequenas Empresas

Gerentes e donos das lojas de nossa cidade, ao lerem a matéria sobre RSE (Responsabilidade Social Empresarial) perguntaram quais seriam as possíveis ações para micro e pequenas empresas adotarem a gestão socialmente responsável de acordo com a realidade delas. Ou seja, sem que tenham que desembolsar grandes quantias.

         A verdade é que quando se fala em RSE a mídia divulga apenas nomes de grandes empresas como a Petrobrás que investe 200 milhões ao ano em ações sócio-ambientais. Como fazer o “dever de casa” sem ter tantos recursos?

         Este é o grande desafio do século. Primeiro perceber que é possível sim os pequenos negócios construírem uma sociedade bem mais justa com ações de baixo custo. De acordo com o SEBRAE são as pequenas empresas que detém 45% da mão de obra trabalhadora e são importantes agentes econômicos em aproximadamente 80% dos municípios brasileiros, possuindo, assim, poder de mudança social e cultural benéfica para todos. Ao tomarem conhecimento de tamanha força é fundamental que venha a prática.

         Como ferramenta de auxilio o Sebrae e o Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social elaboraram uma cartilha denominada Passo a Passo-Responsabilidade Social Empresarial para Micro e Pequenas Empresas. Nela os interessados aprendem que ser mais responsável socialmente é fator de competitividade. No passado, o que significava uma empresa competitiva era basicamente o preço de seu produto. Depois veio a onda da qualidade, mas ainda focada nos produtos e serviços. Hoje, as empresas devem investir no permanente aperfeiçoamento de suas relações com outros públicos dos quais dependem e com os quais se relacionam: clientes, fornecedores, empregados, parceiros e colaboradores. Isto inclui também a comunidade na qual atuam, o governo e sem perder de vista a sociedade em geral, construída a cada dia. Fabricar produtos ou prestar serviços que não degradem o meio-ambiente, promover a inclusão social e participar do desenvolvimento da comunidade de que fazem parte, entre outras iniciativas, são diferenciais cada vez mais importantes para as empresas na conquista de novos consumidores ou clientes. Esta é a lição divulgada no site dos dois órgãos juntamente com as sete diretrizes da RSE: adote valores e trabalhe com transparência; valorize empregados e colaboradores; faça sempre mais pelo meio ambiente; envolva parceiros e fornecedores; proteja clientes e consumidores; promova sua comunidade e comprometa-se com o bem comum.

         Ações cotidianas também fazem uma grande diferença. Como é feito o descarte do lixo gerado em sua loja? Simplesmente é deixado do lado de fora, sobre a calçada, esperando o dia que o caminhão do lixo possa recolhê-lo? Luzes ficam acesas sem necessidade? Propagandas em carro de som estão no volume adequado ou volume muito alto não perturba e fará com que o cliente compre mais? Papéis com propagandas são jogados na rua? Há alguma informação útil neste panfleto que vai além da propaganda comercial? Novas lojas quando se instalam respeitam a cultura local? Salários dos empregados são feitos em dia e justamente? Há incentivo para uso de sacolas recicláveis? Pilhas, baterias e lâmpadas são descartadas corretamente?

         Enfim, há uma infinidade de ações que podem ser adotadas diariamente. São ações que não geram custos e muito pelo contrário, trazem economia. E ainda reforçam a imagem da empresa junto à população local e consequentemente trazem ganho para todos.

(Matéria publicada no Jornal Tribuna das Gerais, junho/2009)

Você pode acompanhar as respostas para este post assinando nosso RSS 2.0 feed. Você pode deixar um comentário, ou trackback do seu site.

2 Comentários para “Gestão Socialmente Responsável para Pequenas Empresas”

LAIS ARRUDA disse:

Vou levar esta matéria para a turma de Pós Graduação em GESTÃO DE MKT o Senac.
Temos que semear a idéia, senão como ela vai brotar?

vanessa disse:

Bacana. É preciso sim que todos se conscientizem a respeito. Beijos

Deixe um comentário