maio 20th, 2010

Vanessa Duguet Arruda

 

MÃE

Há uma nova versão de mãe?

            Ao se aproximar o dia das mães, que é o segundo domingo de maio, há de se pensar na representatividade das mães contemporâneas.  Elas cuidam da casa, dos filhos, dos estudos, trabalham fora e não podem se dar ao luxo de falhar em nenhuma das atividades exercidas. Sem falar que é preciso acrescentar à lista o cuidado consigo própria e o cuidado com o companheiro.

            Qual mãe que nunca se desesperou para optar se vai à reunião da escola do filho ou ser pontual no trabalho? Ou em preparar o almoço do dia seguinte ou conferir a lição de casa do filho? E é exatamente neste ponto que está a diferença de ser mãe na época de nossas avós, quando já estava pré-definido a receita materna.

buy viagara from canadian pharmacy

Ou seja, já era esperado o casamento, a vinda dos filhos, o cuidar da casa. Era dedicação exclusiva ao lar. É evidente que não era fácil lidar com a prole orientando-a nos estudos, comportamento, valores morais e a educação como um todo exigia muito pulso firme e determinação.

            A preocupação em ser boa mãe ainda é imperativa. Competente na vida profissional, preparada para ser líder e consciente que com todas as mudanças, sejam elas culturais ou econômicas, a mãe-mulher sabe que surgiu uma nova estrutura familiar e teve de achar uma fórmula para ser bem sucedida no todo. Principalmente no seu papel de mãe.

            O relacionamento entre mães e filhos ficou enriquecido, pois nasceu a cumplicidade, a participação, o partilhar de opiniões e decisões entre os membros familiares. Desde a escolha do cardápio, da divisão de tarefas, do lugar para passear até como será feita a despesa doméstica.

            Há fórmulas prontas para saber se dedicar aos filhos e não interferir no crescimento profissional? Não existem regras para isto. Existe sim, o compromisso e a consciência que filhos são cidadãos do amanhã e precisam de carinho e orientações adequadas e na hora certa. Esta é opinião da psicóloga Vânia Regina, especialista em psicologia comportamental, que ainda acrescenta: a função materna não mudou com a modernidade ou com a contemporaneidade. O que mudou foi exatamente o ritmo de vida das mulheres e a dinâmica de lidar com as crias. A presença dos pais e no caso a presença da mãe, mesmo que em menor tempo, mas com mais qualidade é fundamental para o sucesso da educação dos filhos.

            Por mais que o comércio vise apenas os lucros e reforce a data com muita propaganda (considerada como segunda maior venda do ano) o dia das mães continua sendo muito especial. Dia de carinho, de cuidados, presentes, de almoço em família. Dia propício para manifestar e retribuir um amor incondicional que se recebe o ano inteiro. Não deixa de ser uma oportunidade para reforçar sentimentos por quem se sacrifica e se doa com a maior naturalidade do mundo, independentemente da época em que se vive.

Justa homenagem.

(matéria publicada no Jornal Tribuna das Gerais)

Você pode acompanhar as respostas para este post assinando nosso RSS 2.0 feed. Você pode deixar um comentário, ou trackback do seu site.

Deixe um comentário