junho 17th, 2010

VAnessa Duguet Arruda

Gente que marca.

Gente desconhecida e esquecida

em seu próprio país.

Gente desacreditada

Na terra natal.

Inexplicavelmente surgiu uma pequena

a Pequena Notável.

Frutas tropicais na cabeça

gingado característico

rebolado cobiçado.

Fez da sua terra

uma terra admirada

e todos a desejavam…

Queriam conhecê-la de perto

Por que contando

impossível acreditar.

A terra das bananas.

Será possível que ao abrirmos as torneiras

Caem bananas? Caem laranjas?

Tempos passaram

um esporte chama atenção

Um negro brilha. Um negro joga.

O negro mais querido do país.

É coroado rei. O rei Pelé.

Foi lá fora

despertou atenção de todos.

jogou, brilhou, marcou gols.

O mundo percebeu

que temos gente nossa.

Gente que passa

deixa saudades

Deixa marcas.

Também ele recebeu homenagens

e já esta a caminho

para contar suas façanhas

receber mais abraços e festas

na sua terra

da sua gente.

Vem também para abrir as torneiras

e tomar banho de frutas.

( 01/10/1977)

 

Você pode acompanhar as respostas para este post assinando nosso RSS 2.0 feed. Você pode deixar um comentário, ou trackback do seu site.

2 Comentários para “Rei Pelé Rainha Carmem Miranda”

ROSA NASSIF disse:

Belo poema, são dois gênios não só do Brasil, mas
do mundo. cada um a seu tempo, mas pasado todo o tempo minguém os esquece, são pessoas iluminadas, predestinadas ao sucesso. Feliz do Brasil de ter dois gênios dessa grandeza.

vanessa disse:

Minha amiga, este poema foi escrito em 1977 e ganhou o 6º lugar num concurso de poesias! Como fiquei feliz!
Obrigada
Beijos

Deixe um comentário